Todos os direitos reservados à  Reluze - Soluções Sustentáveis

Saiba por que é importante consumir o suficiente, sem excessos

June 30, 2017

 

 

 

De quantos pares de sapato você precisa para viver? Sem dúvidas, essa é uma questão subjetiva. Para respondê-la, talvez você analise suas combinações de roupa, o código de vestimenta da empresa onde você trabalha ou as atividades esportivas que você pratica. Seja qual for sua resposta, é fundamental refletir sobre o consumo excessivo.

 

Temos uma população mundial de mais de 7 bilhões de pessoas, que já consome 60% de recursos naturais a mais do que a Terra consegue regenerar. A estimativa é que cheguemos a 9,7 bilhões de habitantes no planeta até o ano de 2050. Globalmente a extração de matérias-primas aumentou de 22 bilhões de toneladas em 1970 para cerca de 70 bilhões em 2019.

 

Uma parcela pequena da população mundial (16%) é responsável por 78% do consumo total. Se todos consumissem como os habitantes mais ricos do mundo, seriam necessários quase cinco planetas para suprir esse consumo. Os países mais ricos consomem cerca de 10 vezes mais recursos que os países mais pobres, e o dobro da média global. E, a cada ano, entram no mercado consumidor mais 150 milhões de pessoas – isto é, serão 3 bilhões de novos consumidores nos próximos 20 anos.

 

Podemos considerar consumo excessivo aquele que acontece sem uma real necessidade, seguindo apenas a lógica da compra pela compra em si. Muitas vezes, motivado por promoções ou por outros estímulos publicitários, que atiçam o desejo dos consumidores.

 

Por isso, no Dia Mundial da População (11/7), o Instituto Akatu lança a campanha “Viva mais com menos”, para que as pessoas reflitam sobre seus próprios atos de consumo, buscando a suficiência e não o excesso. Veja, a seguir, algumas dicas para desfrutar mais com menos.

 

– Você tem mesmo necessidade de comprar mais roupas, sapatos e acessórios de moda?
Seu armário tem várias peças que não são utilizadas? Comprá-las em excesso é puro desperdício. Todas as roupas têm um impacto no meio ambiente, pois a produção têxtil requer uso do solo no cultivo de algodão, água, energia elétrica, além de tratamentos químicos nocivos, sem contar o trabalho humano em si e os gastos de logística.


Por exemplo, para produzir uma calça jeans são necessários em média 10.850 litros de água, quantidade suficiente para suprir o consumo residencial (lavar roupas, tomar banho, beber, cozinhar etc.) de uma pessoa por mais de três meses!

 

Além disso, de acordo com uma análise de ciclo de vida realizada por um fabricante global de roupas*, ao longo de sua vida útil, a produção e manutenção dessa calça geram o equivalente a 33,4 kg de gás carbônico, um dos gases causadores das mudanças climáticas. Considerando esse valor, a produção e manutenção de 23 calças jeans causam a emissão de gás carbônico equivalente a uma viagem de quase 4 mil quilômetros de carro, como de Porto Alegre até Belém do Pará.

Por isso, não se deixe levar por promoções e compre somente após uma reflexão da sua real necessidade. Para tomar uma decisão, é preciso saber o que você tem no seu armário. Por isso, uma boa organização do guarda-roupa é essencial. Se as peças ficam entulhadas, elas ficam “escondidas” e acabam por não ser usadas. Analise as peças com frequência, selecionando aquelas que você não quer mais – troque, doe ou venda!

 

– Você tem mesmo necessidade de comprar um novo celular ou eletrônico?

É inegável a praticidade trazida pelos smartphones nas vidas das pessoas. Mas poucos se dão conta dos impactos negativos de sua produção e do seu descarte incorreto para o meio ambiente e para a sociedade. Um único smartphone genérico consome em sua produção 12.760 litros de água, 18 metros quadrados de solo, segundo o relatório Mind your Step, feito pela Trucost, a pedido da Friends of the Earth, aliança internacional de organizações em prol do meio ambiente.

 

Além de água e terra, a fabricação de um smartphone exige a extração dos chamados elementos de terras raras, usados para produzir baterias, lâmpadas LED, placas de circuito eletrônico e telas de vidro. A mineração desses elementos gera resíduos como arsênio, bário, cádmio, chumbo, fluoretos e sulfatos, o que resulta em 75 mil litros de água ácida e gases tóxicos.

 

Fonte: https://www.akatu.org.br/

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Smartflower, o painel solar inteligente!

September 6, 2017

1/4
Please reload

Posts Recentes

October 24, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags